Talismã

Esse é um texto que foi adaptado de uma resenha de Max Lucado. Muuuuuuito interessante:

chaveiro-pe-de-coelho-rabo-de-coelho-real-original-amuleto-151-MLB4665111877_072013-F

“Para alguns, Jesus é um talismã. O Redentor “Pé de Coelho”. Que cabe no bolso. Prático. A sua especialidade? Tirá-lo do aperto. Precisa de um lugar para estacionar? Precisa de ajuda em um teste? Pegue o pé de coelho. Sem necessidade de um relacionamento com Ele. Sem necessidade de amá-Lo. Novos empregos. Cônjuges novos e melhores. O seu desejo é uma ordem para Ele. Poucas exigências, sem desafios. Sem necessidade de sacrifício. Sem necessidade de comprometimento.

Esse não é o Redentor do Novo Testamento. Quando os discípulos estavam na tempestade, Ele os resgatou. Quando as multidões estavam com fome, Ele as alimentou. Oração, serviço e instrução eram importantes no Seu ministério, mas estavam aquém de um chamado mais elevado.

“O Filho do homem” diz a Escritura, “veio para servir e dar a sua vida em resgate por muitos” (Mateus, capítulo 20 e versículo 28). O Filho do Homem veio encontrar pessoas perdidas e salvá-las! Talismã de coelho… dificilmente. Salvador… completamente!
Existe um versículo que diz: “Buscai primeiro Reino de Deus e as demais coisas vos serão acrescentadas”. Se a gente colocar em nosso coração que o relacionamento com Deus é mais importante do que tudo e se deleitar em conhecer a Ele, todo o restante da sua vida vai ser concertado. Namoro, noivado e casamento, emprego, estabilidade e realização e além disso, TODAS as demais coisas vos serão acrescentadas quando nós admitirmos que tudo isso não é o mais importante. Fazendo isso estaremos no centro da vontade de Deus que é boa, perfeita e agradável. 😉 “

Um Plano Para Salvação. E o que foi que Adão fez?

Atenção: A Bíblia não diz que o fruto era uma maçã. Imagem meramente ilustrativa

Desde o começo de tudo Deus já tinha amado a sua criação com todas as suas forças. É por isso também que ele nos deixa livres para fazer nossas próprias escolhas e isso não é só para nós, mas também para os anjos.

Justamente por isso foi que certo anjo se rebelou e decidiu ir contra Deus. Assim nasceu a maldade na existência, que também contaminou o ser humano graças ao projeto de vingança do diabo.

Tudo o que o nosso inimigo quer é nos matar, roubar e destruir, nos fazendo pecar contra nosso Criador. Chegou até certo ponto em que não haveria outra solução a não ser destruir toda a humanidade (O Criador também é justiça além de amor) e Deus não queria fazer isso. Seu amor por nós era tão forte que Ele não poderia suportar ver-nos se afogando na própria sujeira da maldade, mas também doeria muito Nele se nós fôssemos destruídos.  Mas como eu disse, Ele nos amou com todas as suas forças e como um jogador de xadrez que prevê os movimentos do adversário antes de jogar, Deus havia feito um plano para nos salvar da destruição.

Foi assim que Jesus foi enviado para morrer em nosso lugar (e pensem só, eram tantos pecados, que só Deus morrendo por nós). Ele nos amou de tal maneira que deu seu único filho para um sofrimento sem tamanho.

É aqui que entra Adão:
“O pecado entrou no mundo por meio de um só homem[Adão], e o seu pecado trouxe consigo a morte. Como resultado, a morte se espalhou por toda a raça humana porque todos pecaram.”(Romanos 5.12)

Não é possível entender a salvação sem entender o pecado. Se não fosse assim não poderíamos entender do que somos salvos. Pecado é aquilo que se opõe a Deus. Pecado é quando fazemos algo errado ou quando fazemos alguma coisa que a Bíblia diz para não fazermos. Deus não tem pecado e não pode tolerar o pecado. Antes do pecado de Adão e Eva, eles tinham um relacionamento perfeito com Deus: eles andavam e falavam com Ele. Mas o pecado deles significou uma quebra no relacionamento. A separação de Deus lançou o ser humano na escuridão espiritual.

Como filhos de Adão também herdamos esse pecado original. Somos inclinados ao pecado e frequentemente nos encontramos fazendo aquilo que não devemos. Todos estão separados de Deus e precisamos derrubar as barreiras para que o relacionamento com Ele possa ser restabelecido, como Deus planejou desde o começo.

Agora que já entendemos o que é o pecado, chegamos então à boa notícia.

A má notícia é que mesmo que Jesus tenha morrido em nosso lugar, ainda existe uma chance de se perdermos. Vou explicar: Lembra que eu disse no comecinho do post que nós temos livre escolha? Pois bem, se temos livre escolha, podemos escolher se vamos viver eternamente com o Deus de amor, o maior dos mestres de xadrez, ou se vamos para o lugar de perdição eterna.

Deus preparou um modo para que nós estabelecêssemos qual seria a nossa escolha. Se eu quiser um relacionamento com esse Deus de amor, preciso deixar isso publico, diante de testemunhas. Ou seja, se com a minha boca eu confesso diante de outros homens que Jesus é o único salvador e Senhor da minha vida e começar esse relacionamento o mais rápido possível, então serei salvo (Romanos, capítulo 10 e versículo 9).

Se você não quiser, não faça nada.

A escolha é nossa.

Ouvi o Grito, O Que Faço Agora?

Palavras Rápidas: Objetivo

Lembre-se: seu principal objetivo neste dia é amar a Deus sobre todas as coisas. Todo o restante está abaixo deste que é o maior dos mandamentos.

“Deus deseja o nosso amor. Nós perdemos a nossa beleza e manchamos a nossa linhagem, mas, ainda assim, o Rei dos céus deseja casar-se conosco. O que há em nosso amor para que Deus houvesse de buscá-lo? Por que Deus tem prazer no nosso amor? Ele não precisa de nosso amor, Ele é infinitamente feliz em Si mesmo. Se nós negamos a Ele o nosso amor, Ele tem criaturas mais sublimes que rendem o alegre tributo de louvor a Ele. Deus não precisa do nosso amor, mas, ainda assim, Ele o busca.” (Thomas Watson)
Voltemos ao Evangelho