A Tenda da Presença de Deus. Parte 3# – O Rio Vivo

Para quem não viu os outros posts desta série, os links estão aqui.

A Tenda da Presença de Deus. Parte 1# – Eu Sou a Porta

A Tenda da Presença de Deus. Parte 2# – A oferta do altar do holocausto

Depois do altar do holocausto, o próximo passo do sacerdote na Tenda Sagrada, era ir para o que era chamado de Lugar Santo.

A palavra “santo” define o que é separado para Deus para propósitos santos e que devem ser vividos. Ou seja, o próximo lugar da Tenda tinha que ser livre de corrupção. Mas não vamos aqui ainda falar do Lugar Santo e do que tinha guardado nele e sim do que estava entre o Lugar Santo e o holocausto: a pia de bronze.

Dentro da pia era colocada a água para que os sacerdotes lavassem os pés e as mãos, antes de pensarem em entrar no Lugar Santo. Parece apenas um gesto simples de higiene, mas significa, para a simbologia do Criador, a santificação operada pelo Espírito santo, pois quando se aceita a Cristo, se crê na sua morte e ressurreição. A morte de Cristo por nós está simbolizada no altar do holocausto, onde eram apresentados os sacrifícios; e logo em seguida a limpeza da sujeira na pia de bronze, significa Jesus vivendo em você o purificando de todo mal. E não é um trabalho simples, do tipo que se faz e pronto, daqui a pouco sujou de novo, porque estamos assegurados pelo sacrifício perfeito de amor que deixa o Espírito santo agir na sua vida com todo o seu incrível, incomparável e indescritível amor. Deixar sua vida com Cristo significa libertação das drogas, libertação da prostituição, dos maus pensamentos, da tristeza, do vazio que hora ou outra aparece.

O escritor do Livro de Hebreus, capítulo 10 e versículo 22 nos convida a nos aproximarmos de Deus com um coração sincero, uma fé firme e consciência limpa de todo o pecado consagrado com água pura.

Enfim? Que mais dizer agora, se tem um rio que corre com águas viva dentro de nós? Você pode sentir? Se não, é porque não aceitou a Cristo verdadeiramente e se entregou Àquele que pode purificar e sarar feridas. Afinal Ele mesmo disse no Evangelho segundo escreveu João, capítulo 4 e versículo 13 e 14:

“Jesus respondeu e disse-lhe: qualquer que beber desta água tornará a ter sede, mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede, porque a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água a jorrar para a vida eterna.”

Visite uma igreja evangélica cristã e sinta a plenitude do Espírito Santo se você se voltar para Ele. Dê uma chance ao Criador que te ama tanto a ponto de deixar você livre para achar a resposta para o que a vida tem de melhor. Busque-o enquanto se pode achar, porque o fim pode vir a qualquer momento. Esteja com Ele e seja feliz! Aha!

A Tenda da Presença de Deus. Parte 2# – A oferta do altar do holocausto

Para quem não viu o primeiro post, o link está aqui.

A Tenda da Presensa de Deus. Parte 1# – Eu Sou a Porta

O Senhor Jesus é o Deus que se importa tanto com os seres humanos que se deu para morrer em nosso lugar. Você já deve ter ouvido muito se falar disso, mas talvez não tenha entendido a profundidade do amor de Deus para o mundo (Evangelho segundo escreveu João, capítulo 3 e versículo 16). Aliás, ninguém entende a sua profundidade, mas pelo Espírito Santo, temos uma ideia.

O ser humano se afastou do Criador quando o desobedeceu no jardim do Éden e sabendo que o Senhor só age por amor as suas criaturas (Romanos, capítulo 8 e versículo 28) desobedecê-lo traz más conseqüências que levam a morte (Romanos, capítulo 6 e versículo 23) Isso é o pecado, é desobedecer as boas ordenanças de Deus, se afastando dEle e se prejudicando ao mesmo tempo. O problema também é que nós, desde aquela época, nos corrompemos e passamos a ter um pecado nas nossas vidas como algo normal a ponto de nos acostumarmos em se afastar do amor do Criador –  Leia estes post. É aí também que vemos a guerra espiritual que é travada por mim e por você, porque o Senhor não desiste daqueles que podem ainda serem considerados filhos de Deus, ao invés de escravos do pecado, e o diabo também não desiste de se rebelar contra Jesus e quer levar os seres humanos para o inferno que foi criado para ele e não para nós (Isaias, capítulo 14 e versículo 9 e Apocalipse, capítulo 20 e versículo 10)

 O senhor é infinito e aquele que vence sem lutar, então quão grandioso é perceber que para se tirar o pecado de alguém tem que se pagar o preço justo, afinal o Senhor é justiça (Salmo 24 e versículo 5) e o preço justo é a morte (Romanos, capitulo 6 e versículo 23) porque o salário (a conseqüência) do pecado é a morte. Então para tirar você da perdição da morte física e da perdição eterna, Jesus se entregou para morrer em seu lugar na cruz, que foi o altar do holocausto de Deus para toda a humanidade.

Aqui então chegamos à próxima parte da Tenda da Presença de Deus, porque depois da Porta, dentro do pátio, encontramos o altar do holocausto, onde os sacerdotes (que eram como se fossem o equivalente aos pastores de hoje) sacrificavam animais pelos pecados do povo de Israel. O simbolismo que Deus usou aqui foi tremendo porque o altar simboliza a cruz e o sacrifício para tudo o que aconteceu na sua vida de errado. É a morte do próprio Deus (Evangelho segundo escreveu João, capítulo 1 e versículo 29).

Agora talvez venham as perguntas: então é isso? Está feito? Ele morreu em meu lugar e agora estou salvo? Se for assim então porque estes crentes querem que eu “aceite a Jesus”. A resposta está na profundidade das palavras “aceite a Jesus”, porque para fazer parte do presente da salvação dos pecados e da sua conseqüência maligna por meio de Cristo, Deus colocou uma regra fundamental que foi uma vez perguntada ao apóstolo Paulo pelo carcereiro de uma prisão (Atos, capítulo 16 e versículo 30) e ele respondeu: “… Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa.”

Creia. Aceite. Declare para o mundo a sua fé em Cristo. Ele passará a viver em você e é indescritível a sensação da santidade causada por esse altar de holocausto.

Parábola

“O Reino dos céus é como um tesouro escondido num campo. Certo homem, tendo-o encontrado, escondeu-o de novo e, então, cheio de alegria, foi, vendeu tudo o que tinha e comprou aquele campo.”
(Mateus 13:44)